OLHARES DA TERRA
Ciclo de Cinema Itinerante

– OLHARES DA TERRA é um ciclo de cinema itinerante, composto por 12 sessões a partir de sete filmes de diferentes géneros, cuja temática comum assenta no mundo rural, suas tradições, mutações, contradições e desafios.
– Percorre aldeias de vários concelhos da Beira Interior, aproximando pelo cinema geografias sociais, naturais e humanas, e contribuindo para a coesão territorial da Região Centro.
– O ciclo obedece a uma lógica de programação partilhada, não só pelo intercâmbio de filmes entre aldeias, mas também pela sua inclusão nos programas culturais das próprias aldeias.
– A projecção dos filmes, em espaços ao ar livre, é acompanhada e contextualizada por uma apresentação prévia, sempre que possível com a presença do próprio realizador, em aproximação à comunidade, como forma estimular o pensamento sobre o passado, o presente e o futuro.
– São filmes de cineastas que recolheram a matéria-prima com disponibilidade e entusiasmo, investigaram a cultura do território, interagiram com o meio e imergiram na realidade, sendo todos eles participados pela própria comunidade e pelo “espírito do lugar” em que se inserem.
– Através de uma rede de cooperação que envolve várias entidades, queremos construir caminhos de diálogo entre os diferentes agentes que operam no território e a comunidade, na expectativa de um todo integrador e de um laboratório vivo para partilha de conhecimentos e experiências a partir do cinema.

 

Objectivos
– Estimular a coesão territorial através da itinerância de filmes, em ambiente de partilha e reflexão entre criadores e comunidade;
– Potenciar o “espírito do lugar” através do cinema, na descoberta da geografia humana e natural deste universo rural;
– Democratizar o acesso ao cinema, desenvolvendo actividade cultural e cinematográfica nas aldeias.
– Fomentar o espírito de colaboração entre os diferentes criadores e agentes culturais nas aldeias, relevando a importância e benefícios da descentralização cultural.

 

Parcerias
– Para este projecto, o Cineclube da Guarda associou-se à Histérico – Associação de Artes (Fundão), elaborando duas candidaturas complementares que, para além de se beneficiarem mutuamente, permitem a concretização deste projecto num elevado nível de qualidade.
– Por outro lado, solicitámos o apoio da ARS id que nos permitiu ter condições extraordinárias na construção deste projecto, designadamente através de uma consultoria especializada nos aspectos relacionados com a programação, produção, comunicação e ainda cedência de equipamentos especiais de projecção 4K.
– A rede de Lugares ARS|Luzlinar e a ADXTUR (Aldeias de Xisto), acolhem o projecto em aldeias situadas nas suas áreas de trabalho, disponibilizando espaços, apoio técnico e logístico em conjunto com os Municípios da Guarda e do Fundão.
– O Jornal do Fundão é o parceiro da área da comunicação social, que nos vai ajudar na divulgação do programa e das sessões, publicando textos sobre os filmes e entrevistas com os realizadores, em particular nas suas plataformas online.

Programa 2021

Descemos às minas da Panasqueira em “Wolfram, a Saliva do Lobo”; inteiramo-nos do complexo processo agrícola e artesanal do linho, em “O Linho é um Sonho”, ou dos cobertores de Maçainhas em “Cobertor de Papa”; sentimos as agruras e recompensas da agricultura em “Entre Leiras” com a resistente união de duas mulheres; inquietamo-nos com o homem preso por crimes de água na Cerdeira, em “O Fim do Mundo”; seguimos o ciclo da natureza e a comunidade como actor principal em “O Movimento das Coisas”; e vemos como se fazia o pão antigamente, em Janeiro de Cima, na “Casa, O Pão”.

 

Projecções

12 Aldeias
Julho, Agosto e Setembro de 2021

Casa, O Pão – Janeiro de Cima
O Fim do Mundo – Cerdeira
Wolfram, a Saliva do Lobo – Barroca Grande

O Movimento das Coisas – Famalicão
O Linho é um Sonho + Cobertor de Papa – Maçainhas
Entre Leiras – Meios

Casa, O Pão – Videmonte
O Fim do Mundo – Corujeira
Wolfram, a Saliva do Lobo – Trinta

O Movimento das Coisas – Sobral de São Miguel
O Linho é um Sonho + Cobertor de Papa – Janeiro de Cima
Entre Leiras – Barroca do Zêzere